Você certamente já ouviu falar em fake news. O termo “fake news” é utilizado para definir as notícias falsas, falsificadas ou fraudulentas, que circulam na internet ou nos aplicativos de mensagens e mídias sociais, um conteúdo manipulado fabricado com intuito de causar desinformação, polêmica ou com propósitos fraudulentos. Esse conteúdo pode violar a imagem, honra, privacidade, de uma pessoa ou de uma empresa ou organização, desacreditar algum produto ou marca, causando grandes danos.

A Internet e a sua popularização permitiu a disseminação geral da informação de forma cada vez mais rápida. A tecnologia influencia nas mudanças de comportamento, tornando tudo mais rápido com o acesso e troca de informações, o que facilita a comunicação e a inclusão social.

Porém, por conta da tecnologia possibilitar a disseminação da informação de forma cada vez mais rápida, atingindo grande número de pessoas, nem sempre traz coisas boas, como as fake news.

O espaço virtual se tornou propício para as fake News. Isso acontece porque as pessoas têm preguiça de pesquisar a fonte da informação, não questionam se o veículo que a transmite é confiável, se tem propriedade ou não. Por isso, acabam repassando notícias sem fundamento, proliferando a fofoca e a desinformação, que são vazadas pelas redes sociais rapidamente.

Nos dias atuais, as fake news estão em alta na mídia e se tornaram uma realidade na nossa vida. Mas, o que podemos esperar do ano de 2022, será que seremos capazes de conter a disseminação das fake news? Confira no artigo de hoje!

 

 O que é fake news e como se espalha?

Fake news ao ser traduzido significa notícia falsa. O termo é usado para se referir a um fenômeno massivo de informações falsas na internet.

Em geral, informações são fabricadas e montadas com conteúdos falsos para viralizarem nas redes sociais. A intenção é enganar e induzir os outros a acreditar em falsidades ou duvidar de fatos verificáveis. 

Algumas vezes, a informação pode ser baseada na realidade, mas retirada de seu contexto para distorcer os fatos e provocar danos a uma pessoa, grupo social, organização ou país. 

O avanço da tecnologia e o crescimento do uso das mídias sociais contribuem para a divulgação de boatos. Na verdade, pesquisas mostram que notícias falsas costumam se espalhar online mais rápido do que notícias reais.

Os usuários regulares de mídia social são os maiores disseminadores desse tipo de informação. Geralmente, essas pessoas são movidas por emoções como medo, repulsa e surpresa e antes mesmo de verificarem a veracidade e exatidão das notícias, curtem, compartilham e se envolvem com postagens contendo informações incorretas. 

As fake news também podem ser espalhadas por meio de robôs, que tentam imitar o comportamento humano. A superexposição da informação acaba dando uma falsa impressão de veracidade. 

 

Como se resguardar das fake news?

A melhor maneira de se resguardar de notícias falsas é sempre checar a veracidade do conteúdo recebido, antes de compartilhá-lo. 

Existem inúmeros sites que combatem as fakes news e realizam um verdadeiro serviço em prol da sociedade ao checar a autenticidade das notícias que circulam e se propagam em massa na web.

Precisamos estar atentos ao futuro e preparados para lidar com as fake news. Em 2017, as notícias falsas tornaram-se grande tema político na mídia mundial e a previsão assusta. Até 2022, a maioria das pessoas em economias maduras deve consumir mais fake news do que histórias verdadeiras. Assim, as empresas precisam monitorar de perto o contexto em que são citadas para evitar associações prejudiciais à marca. 

Importante frisar que 2022 é ano de eleições no Brasil, isso deve se traduzir em um aumento no uso de contas falsas e sistemas de disseminação de fake news. Além das eleições, momentos de comoção social também devem ser palco das chamadas fábricas de trolls.

Gostou do artigo? Quer ficar por dentro em primeira mão de vários conteúdos interessantes como este, ligados à tecnologia? Então, assine nossa newsletter.

Comments are closed.